Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vivendo e aprendendo

partilha de experiência de vida a nivel geral. Divagar sobre pintura,poesia,história e sobre a sociedade em que vivemos.

vivendo e aprendendo

partilha de experiência de vida a nivel geral. Divagar sobre pintura,poesia,história e sobre a sociedade em que vivemos.

OS CINCO SENTIDOS DO AMOR

 

 

Um homem

`Es apenas um homem

Nada mais do que um homem

Tao simples quanto isto:

Um homem.

Porem, para mim

Nao `es um homem.

Nao!

Para mim tu nao `es um homem.

Para mim ...

Tu `es o homem.

 

OUVINDO.........

Chegam-me os teus sons

O som quente do teu amor

O som alegre da tua euforia

O som doce do teu carinho

O som acido da tua traquinice

O som amargo da tua magoa

O som agudo do teu grito

 

 

VENDO...........

Vejo-te caminhando para mim

Lentamente

Vejo-te sorrir

Num sorriso acanhado

Vejo-te levantar os bracos

E envolveres-me

Vejo desaparecer

Tudo em redor

 

 

CHEIRANDO........

Cheiro a tua presenca

E nela adivinho

O cheiro do estado

Da tua alma

Cheiro tudo

Quanto `e femea

Em teu redor

Absorvendo

O cheiro da ameaca

 

 

SABOREANDO.............

Saboreio o teu beijo

Qual manjar

Vindo dos ceus

Saboreio a tua pele

Como quem

Saboreia o vento

Saboreio o sal

Das tuas lagrimas

Que tempera

O louco amor

Que me ofereces

 

 

TACTEANDO........

Tacteio o teu coracao

Procurando

As certezas que me faltam

Tacteio o teu rosto

Certificando-me

De que `es real

Tacteio a tua mao

Para nos teus dedos

Entrelacar os meus

 

Sinto-te com os meus cinco sentidos........`es o homem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAVALO A SOLTA -fim

 

Corpo ao alto

Firmando apenas

As pontas dos cascos

Cauda arrebitada

Olhar concentrado

Na linha do horizonte

Pelo branco e brilhante

Sangue quente

Correndo nas veias

Assim sou eu

Aguardando

A tua chegada

Para juntos

Lado a lado

Galoparmos

Galoparmos

Sem destino

 

 

COLHENDO FLORES

 

 

 

Serenamente colhendo flores

Desbravando mato

Pelos caminhos da minha alma

 

Mato em mim todas as dores

Se um jeito gaiato

Se espalha no ar e me acalma

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAO SALVADORA

 

 

 

 

 

Nao sei se me doi mais

O bem que me das

Se o mal com que me torturas

Das ondas da minha tormenta

Vejo a tua mao estendida

Que julgo querer-me salvar

Mas quando tento alcanca-la

Percebo que se dilui

Nas aguas revoltas

Que me cercam

 

 

FANATISMO

 

 

 

Florbela Espanca (1894-1930)

FANATISMO

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

«Tudo no mundo é frágil, tudo passa...»
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
«Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: Princípio e Fim!...»